24 de set de 2015

Cinemas de Pelotas na linha do tempo

12/Fev/1910: É inaugurado o cinema Coliseu que ficava localizado na R. Gen. Vitorino (atual Pe. Anchieta), entre as ruas D. Pedro II e Gen. Telles.

23/Abr/1910: É inaugurado o cinema Parisiense que ficava localizado na R. Gen. Neto, entre as ruas 15 de Novembro e Gen. Vitorino (atual Pe. Anchieta) onde mais funcionou o cinema Recreio Ideal.

Cineteatro Politeama, inaugurado em 1910. Foto Almanaque do bicentenário de Pelotas. Acesse em: http://almanaquedepelotas.com.br/almanaque-v2.pdf

25/Dez/1910: É inaugurado o cinema Polytheama que ficava localizado na Pça. da República (atual Pça. Cel. Pedro Osório) onde depois foi construído o prédio do Grande Hotel.

23/Abr/1911: É inaugurado o cinema Popular que ficava localizado na esquina das ruas Gen. Osório e Gen. Argolo onde hoje fica as dependências da CIENAL. (34) 1912 é inaugurado o cinema Eldorado. O cinema ficava localizado na esquina das ruas Benjamin Constant e Gonçalves Chaves. (34).

21/Mar/1912: É inaugurado o cinema Recreio Ideal que ficava localizado na R. Gen. Neto, entre as ruas 15 de Novembro e Gen. Vitorino (atual Pe. Anchieta). Segundo o Diário Popular desta data, neste local havia funcionado antes o cinema Parisiense.

30/Mar/1912: É inaugurado o cinema Ideal-Concerto na esquina das ruas R. 15 de Novembro e 7 de Setembro onde hoje é o Clube do Comércio.
Notas: 1) Em Jul/1912 esta sala de cinema passou a se chamar Ponto Chic; depois veio a se chamar Arco-Iris e mais adiante voltou a ser Ponto Chic. (34) . 2) Conforme (56) o endereço do cinema Ponto Chic era R. 15 de Novembro, atual no. 602.

30/Abr/1921: É inaugurado o Theatro Guarany na rua São Paulo (atual Lobo da Costa, no. 849) esq. Gonçalves Chaves que também foi utilizado como sala de cinema.

04/Set/1925: O teatro Apollo passa a funcionar como sala de cinema.
Notas: 1) O cinema ficava localizado na R. Gomes Carneiro, nº. 939 ,atual no. 1661.

03/Jul/1927: É inaugurado o Cine-Theatro Avenida, localizado na Av. Bento Gonçalves.

9/Nov/1928: Passa a funcionar o cinema Capitólio na R. Gen. Vitorino, no. ?? (atual R. Pe. Anchieta, no. 2009).

12/Mai/1938: Passa a funcionar o cinema São Rafael na Av. Gen. Daltro Filho, no. ? (atual Duque de Caxias) . Em 1960 era propriedade da empresa Cine Pelotas Ltda., o cinema possuía 1000 lugares; utilizava um aparelho projetor para filmes de 35 mm e ficava localizado na R. Duque de Caxias, nº 8. (53). 3) Segundo (56), seu endereço atual é Pça. 20 de Setembro, no. 846. 1947 entra em funcionamento na Vila Dunas o cinema Ideal, na Av. Farroupilha, nº ? . Em 1960 era propriedade de Waldemar Valente Gomes.

06/Jul/1949: Passa a funcionar o cinema Fragata, na Av. Gen. Daltro Filho (atual Duque de Caxias), ao lado da Casa Couto 1950, entra em funcionamento na Vila Santa Terezinha o cinema Para Todos, em endereço desconhecido. Em 1960 o cinema possuía 500 lugares e utilizava aparelho projetor para filmes de 16 mm.

14/Ago/1950: É fundado o Circulo de Estudos Cinematográficos de Pelotas. (Diário Popular, 29/Ago/1950). 1951

28/Jan/1954: Passa a funcionar o cinema Esmeralda na R. Domingos de Almeida, atual no. 2114.

12/Out/1956: Passa a funcionar o cinema América na R. 15 de Novembro quase esq. com a R. Benjamin Constant. Em 1960 era propriedade da Empresa Cinematográfica Cinesul Ltda., o cinema possuía 1050 lugares; utilizava um aparelho projetor para filmes de 35 mm e ficava localizado na R. 15 de Novembro, nº 205

17/Abr/1962: Passa a funcionar o Pelotense Cine-Rádio , na R. Andrade Neves, 2316 (atual 2330)

01/Out/1963: Passa a funcionar o cinema Tabajara, na R. Gen. Osório, atual no. 1094.

14/Jul/1967: Passa a funcionar o cinema Rei, na R. Andrade Neves, atual no. 1967.

29/Jun/1968: Passa a funcionar o cinema Garibaldi, na R. José Garibaldi, nº660-A.



Fonte: Enviada por Silvia Regina Silva Bonow

Os pretéritos cinemas no presente:*


Cine Capitólio. Virou estacionamento. Pe. Anchieta 2009.
Cine Rádio Pelotense.Virou supermercado. Andrade Neves 2330.
Theatro Guarany. Não é mais cinema. Lobo da Costa 849.
Theatro Sete de Abril.Não é mais cinema. Pç Cel. Pedro Osório 160.
Cine Rei. Virou magazine. Andrade Neves 1967.
Theatro Avenida.Abandonado. Av. Bento Gonçalves 3972.
Cine Fragata. Hoje é casa noturna. Av. Duque de Caxias 668.
Cine Garibaldi. Galpão da Embaixador. Garibaldi 660-A.
Cinema Praiano. Abandonado. Tuparandi 366 (Laranjal).
Theatro São Rafael. Em ruínas. Pç 20 de Setembro 846.

Foram demolidos e em seu lugar há novos prédios:
Cine-Theatro Apollo. Gomes Carneiro 1661.
Cine América. Quinze de Novembro 205.
Cinema Politeama. Pç Cel. Pedro Osório 51.
Cinema Coliseu.Pe. Anchieta 1346.
Cinema Ponto Chic. Quinze de Novembro 602.

Foram ocupados por igrejas evangélicas:
Cine Tabajara. General Osório 1094.
Cine Esmeralda. Av. Domingos de Almeida 2114.
Cine Glória. Av. Cidade de Lisboa 245.
Os nomes das ruas e a numeração corresponde aos endereços atuais.

Fonte: Extraído do blogue P elotas Cultural em http://pelotascultural.blogspot.com.br/2009/02/os-antigos-cinemas-de-pelotas.html


Cine Tupy - Localizava-se nas Três Vendas, na rua São João, no bairro Santa Terezinha.
Cine Principal - Localizava-se nas Três Vendas, na rua Santo Antônio primeiramente, quase esquina com a avenida 25 de julho, na época mais conhecida como a Estrada da Barbuda, depois foi para a rua São Francisco.
    Uma hora antes do início do filme, o auto-falante anunciava o respectivo filme a ser apresentado e os em cartaz para semanas futuras, assim como era levado ao ar a boa música da Jovem Guarda.


Fonte: Enviado por Paulo Fiss.



17 de set de 2015

Retrato de Família de Carlos Drummond de Andrade

Retrato de Família

Este retrato de família
está um tanto empoeirado.
Já não se vê no rosto do pai
quanto dinheiro ele ganhou.
Nas mãos dos tios não se percebem
as viagens que ambos fizeram.
A avó ficou lisa, amarela,
sem memórias da monarquia.
Os meninos, como estão mudados.
O rosto de Pedro é tranqüilo,
usou os melhores sonhos.
E João não é mais mentiroso.
O jardim tornou-se fantástico.
As flores são placas cinzentas.
E a areia, sob pés extintos,
é um oceano de névoa.
No semicírculo de cadeiras
nota-se certo movimento.
As crianças trocam de lugar,
mas sem barulho: é um retrato.
Vinte anos é um grande tempo.
Modela qualquer imagem.
Se uma figura vai murchando,
outra, sorrindo, se propõe.
Esses estranhos assentados,
meus parentes? Não acredito.
São visitas se divertindo
numa sala que se abre pouco.
Ficaram traços da família
perdidos nos jeitos dos corpos.
Bastante para sugerir
que um corpo é cheio de surpresas.
A moldura deste retrato
em vão prende suas personagens.
Estão ali voluntariamente,
saberiam – se preciso – voar.
Poderiam sutilizar-se
no claro-escuro do salão,
ir morar no fundo de móveis
ou no bolso de velhos coletes
A casa tem muitas gavetas
e papéis, escadas compridas.
Quem sabe a malícia das coisas,
quando a matéria se aborrece?
O retrato não me responde,
ele me fita e se contempla
nos meus olhos empoeirados.
E no cristal se multiplicam
Os parentes mortos e vivos.
Já não distingo os que se foram
dos que restaram. Percebo apenas
a estranha ideia de família

viajando através da carne.
Carlos Drummond de Andrade (1902 – 1987) foi um dos mais importantes poetas brasileiros, além de cronista, contista e tradutor.

9 de set de 2015

Luis Carlos Fernandes Freitas - Um pelotense campeão pelo Flamengo

    "O processo migratório que se instituiu no futebol contribuiu para que os principais times da região misturassem jogadores procedentes do próprio clube com os que iniciaram nos times menores de bairros e vilas e outros que vinham de fora da cidade. As equipes de Pelotas, ao mesmo tempo que aproveitavam os jogadores oriundos de times menores da região, também importavam e exportavam jogadores para Porto Alegre, Rio de Janeiro, São Paulo, Uruguai e Argentina. Após a consolidação do profissionalismo, que na região de Pelotas ocorreu somente em meados dos anos 40, intensificou-se a saída de craques da região para as equipes maiores. Conhecedores da situação proporcionada pela profissionalização, muitos jogadores migraram em busca de melhores contratos. Mesmo afastados da cidade, muitos jogadores permaneceram vivos na memória daqueles que compartilharam do início de suas carreiras. Resistindo ao tempo, os jogadores que alcançaram um sucesso maior chegando às grandes equipes do País, tornaram-se ícones na lembrança dos mais antigos e passaram a fazer parte da cultura futebolística da cidade." Fonte: Nomadismo e miscigenação no futebol pelotense por Luiz Carlos Rigo, em http://www.seer.ufrgs.br/Movimento/article/download/2815/1430, acessado em 9.9.2015.

Luis Carlos Fernandes Freitas pelo Flamengo

Um dos ícones "na memória dos mais antigos dentro da cultura futebolística pelotense" como diz Luiz Carlos Rigo em seu texto, extraído do trabalho chamado "Nomadismo e miscigenação no futebol pelotense", é o zagueiro central, Luis Carlos Fernandes Freitas, nasceu em Pelotas em 24 de junho de 1937, iniciou sua carreira no Xavante, onde ficou por um ano e foi transferido para o Farroupilha, clube de onde jogava quando foi convocado para que representar a C.B.D no Pan-Americano de Costa-Rica (III Campeonato Pan-Americano, em 1960), infelizmente não pode participar, pois foi diagnosticado com apendicite. Do Farroupilha, onde atuou por 4 anos, saiu direto ao Flamengo, onde seu passe custou 6 milhões de Cruzeiros, a maior transação do futebol gaúcho até tal momento, pelo Cel. Plácido Nogueira (ver nota 1). No Flamengo foi Zagueiro entre 1962 e 1967, sua estréia foi em 4 de abril de 1962 (Flamengo 1x3 Seleção da Itália), fez 144 jogos e não marcou gols. No time Carioca formou a zaga na reta final do Campeonato Carioca de 1963, quando o rubro-negro conquistou seu 14º título estadual. Em 1962 já havia participado do Torneio Triângular da Tunísia onde o Flamengo se consagrou campeão. Em 1964 ganhou o Troféu Naranja, competição realizada desde 1959 na cidade de ValênciaEspanha, no Estádio Mestalla. É um dos diversos torneios amistosos de verão que ocorrem na Europa. O Sr. Luis Carlos viajou o mundo com Flamengo e registrou vários momentos, vindo a falencer em Pelotas no ano de 2004.


O zagueiro do Flamengo em entrevista a uma revista da época.


Luis Carlos Fernandes Freitas Campeão da Guanabara (1963)
Luis Carlos Fernandes Freitas  em viajem pelo Flamengo na Holanda (03.03.1964)

Madri - Espanha (1.09.65) Fefeu, Silva, Dida, Luís Carlos.

Luis Carlos em Varsóvia - Polônia (01.05.1965)


























Copenhague-Dinamarca (10.01.1963)




























Imagens de Flamengo x Fluminense - Campeonato Carioca 1963 onde o Sr. Luis Carlos participou. 



Nota 1 - Plácido Nogueira, nascido em 1912, foi general do exército. Assíduo dirigente do Grêmio Atlético Farroupilha e torcedor fanático do time. Desde que chegou à Pelotas, em 1933, passou a fazer parte do clube do "militares" na função de Tesoureiro, como ele mesmo dizia, "foi de tudo ali". Presidente por 15 anos. A última vez foi em 1960. Fonte: Nomadismo e miscigenação no futebol pelotense por Luiz Carlos Rigo, em http://www.seer.ufrgs.br/Movimento/article/download/2815/1430, acessado em 9.9.2015


Fontes: 

  •  Fotos e informações do Sr. Luis Carlos Fernandes Freitas através de Maria Cristina Freitas Silva (Filha), Paulo César Dos Santos Silva (Genro) e Cristiano Ferraz Freitas (Filho);
  •  Nomadismo e miscigenação no futebol pelotense por Luiz Carlos Rigo, em http://www.seer.ufrgs.br/Movimento/article/download/2815/1430, acessado em 9.9.2015;
  •  http://flapedia.com.br;


Quem tiver informações para esta postagem pode deixar seu depoimento ou enviar e-mail para preteritaurbe@hotmail.com