14 de mar de 2018

Sra. Judith da Silva Bacci (1918 - 1991)

D. Judith era funcionária da EBA, contratada por Marina de Moraes Pires, zeladora – morou na Escola - e encarregada da limpeza, e aprendeu escultura vendo o professor Antonio Caringi ensinar os alunos. Trabalhou como escultora, e recebia encomendas de clientes de Pelotas e de outras localidades. Mulher, negra e pobre, foi reconhecida como profissional talentosa.
A Senhora Judith foi uma escultora negra e pelotense autodidata, que nasceu em 1918 e veio a falecer em 1991. Trabalhou como zeladora da antiga Escola de Belas Artes -- EBA, que atualmente chama-se Centro de Artes.
Sua história constitui-se de sua luta e de muito trabalho onde superou obstáculos, por causa das convenções da época, mas mesmo assim chegou a ser laboratorista em escultura, onde também auxiliou professores no antigo instituto - ILA - Instituto de Letras e Artes.
Dona Judith no seu período de produção artística não recebia muito incentivos para produzir ou vender, mas também não era impedida de vender mesmo sofrendo racismo pelos corredores do instituto.
Ao mesmo tempo, ela tinha um grande reconhecimento por seus trabalhos, pois impressionavam alunos e professores. Os alunos sempre que precisavam chamavam por Dona Judith para auxiliá-los em aula, pois ela os ajudava muito.
Judith também fazia esculturas religiosas, busto, nu feminino e masculino, posava de modelo vivo para os alunos principalmente no concurso de escultura que ocorreu em março de 1984.
Retratou figuras da sociedade de Pelotas e personagens internacionais como Mariana de Morais Pires que era diretora da EBA e o ex presidente dos Estados Unidos John Kennedy dentro outros. Trabalhou quase sempre com argila e gesso, na questão academicista ela tinha influências realistas e expressionistas.
Uma de suas esculturas famosa e que pode ser lembrada até os dias de hoje é da imagem de Iemanjá que está no Balneário dos Prazeres, com este trabalho vê-se a importância da artista no Patrimônio da cidade.
Segundo o filho de Judith, Mário Eugênio, ela também teve reconhecimento, mesmo com a pouca escolaridade, pelo o crítico de arte Nelson de Freitas. O mesmo tinha uma coluna no Diário Popular onde fazia críticas de arte, mas no caso de Judith só críticas muito positivas quanto à produção da artista.

Fotos acima do acervo Fototeca UFPel

Foto postada pelo Jornal Diário Popular no Caderno Estilo em 10 de Março de 2018.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá tudo bem? Obrigado por deixar aqui seu comentário. Qualquer problema entre em contato direto com a página através do e-mail preteritaurbe@hotmail.com. Se quiser deixe também sua crítica construtiva. Abraço e viva Satolep!