Dê play no player acima ^ e escute músicas de Pelotas!

DÊ PLAY NO PLAYER ACIMA ^ E ESCUTE MÚSICAS DE PELOTAS!

18 de jun de 2015

Postais de Helmut Koettel de 1967




Os dois cartões postais acima estão datados de 1967, editados pela Paraná Cart de Curitiba/PR, as fotos são do fotografo Alemão radicado em Londrina Helmut Koettel. Existem outros postais de Pelotas com as fotos do Sr. Koettel, que provavelmente veio registrar o sul do Brasil para a Paraná Cart. Na internet encontra-se postais de Maringá da mesma época com o nome do fotografo.
No blog "Pausa para a neblina" em um post sobre a biografia do fotografo Haruo Ohara consta que Helmut Koettel em 1959 participou da comemoração do jubileu de prata de Londrina com exposição no 2° Salão de Arte Fotográfica da Biblioteca Pública Municipal, ao lado do próprio Haruo Ohara juntamente com Alcides de Mello, Augusto Galante, Francisco Sanches, Fedele Mioni e Minoru Takagi, entre outros. Alguns expoentes da moderna fotografia brasileira, como Eduardo Salvatori, Jean Lecocq, Marcel Giról, Roberto Yoshida e Rubens Scavone, também participam deste salão.

Um comentário:

  1. Fiz diversas mostras de CARTÕES POSTAIS em São Paulo, Sete Lagoas (MG), Belo Horizonte (MG) Três Lagoas (MS) e em Feira de Santana (BA). Todos os cartões de minha coleção e também as imagens de minha autoria. Tenho centenas de postais lançados através de uma editora e patrocinados. Fotografei até o momento 18 Estados. Sou colecionador há mais de 40 anos. Vendo, faço permutas e aceito doações, mesmo escritos também desses retângulos maravilhosos que ajudam na divulgação do turismo e cultural mundial. Estou buscando patrocínios para novas produções.



    Mauricio Cardim

    Caixa Postal: 159

    Feira de Santana/BA

    44001-970

    fotografocardim@hotmail.com

    www.flickr.com/postaiscardim

    ResponderExcluir

Olá tudo bem? Obrigado por deixar aqui seu comentário. Qualquer problema entre em contato direto com a página através do e-mail preteritaurbe@hotmail.com. Se quiser deixe também sua crítica construtiva. Abraço e viva Satolep!