"SÓ HÁ UM MEIO EFICAZ DE ASSEGURAR A DEFESA DO PATRIMÔNIO DE ARTE E DE HISTÓRIA DO PAÍS; É A EDUCAÇÃO POPULAR." Rodrigo Melo Franco de Andrade

19 de out de 2016

Escola de Artes e Officios/ ETP/ ETFPel/ CEFET/ IFSul

Dia 11 de outubro é a data que o IF-Sul comemora seu aniversário. Neste ano de 2016 completou 73 anos de existência. Gostaríamos de registrar aqui a história do IF-Sul desde quando era a Escola de Artes e Officios. Um breve relato encontra-se junto ao site do instituto, o qual reproduzimos aqui. Logo após uma homenagem vinda do Sr. Paulo Fiss com uma poesia de sua autoria.


  "Em 1917, o prédio abrigava a Escola de Artes e Officios (iniciativa da Biblioteca pública pelotense), que em 1930 passa a ser a Escola Technico - Profissional - instituída pelo município (Pref. Sr. João Py Crespo) para viabilizar seu funcionamento.
  A Escola Técnica de Pelotas (ETP), em 1942, é criada pelo Presidente Getúlio Dorneles Vargas, mediante gestões e ações de Luiz Simões Lopes. É inaugurada em 1943 e tem o início de suas atividades letivas em 1945.
  O primeiro curso técnico da ETP foi o curso de Construção de Máquinas e Motores, do qual é originário o atual curso de Mecânica Industrial. Ele foi implantado em 1953 graças à mobilização dos alunos e ao apoio do influente político pelotense Ary Rodrigues Alcântara, paraninfo da primeira turma de formandos.
  No ano de 1959, a Escola Técnica de Pelotas passa a autarquia Federal, e em 1965 passa a se denominar Escola Técnica Federal de Pelotas (ETFPEL).
  Em 1994, o Ministro da Educação encaminhou ao Congresso Nacional a proposta de um Sistema Nacional de Educação Tecnológica e de transformação das Escolas Técnicas Federais em Centros Federais de Educação Tecnológica. Em dezembro desse mesmo ano, foi editada a Lei que previu a transformação Institucional de todas as Escolas Técnicas da Rede Federal em CEFETs, exigindo processo individualizado para implantação gradativa de cada Centro, segundo critérios fixados pelo Poder Público.
  Também em 1994, foi reconhecida a regularidade de estudos do Curso Técnico de Desenho Industrial. Nesta época, a Escola oferecia oito Cursos Técnicos Integrados de Nível Médio: Mecânica, Eletrotécnica, Eletrônica, Edificações, Telecomunicações, Eletromecânica, Química e Desenho Industrial.
  A transformação da ETFPEL em Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas - CEFET-RS ocorreu em 1999, o que possibilitou, além da oferta dos Cursos Técnicos de Nível Médio, oferta de Cursos Superiores e de Pós-graduação, incentivando ainda mais a pesquisa, a elaboração de projetos e convênios, com foco nos avanços tecnológicos.
  Posteriormente passou a fazer parte do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense (IFSul), integrante da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica, criado a partir do CEFET-RS, mediante Lei n°11.892, de 29 de dezembro de 2008.
  Hoje o IFSul, cuja sede administrativa está localizada em Pelotas/RS, é formado por doze campi: Pelotas, Pelotas-Visconde da Graça, Sapucaia do Sul, Charqueadas, Passo Fundo, Bagé, Camaquã, Venâncio Aires, Santana do Livramento Sapiranga (em implantação), Lajeado (em implantação) e Gravataí (em implantação).
  O Instituto Federal, caracterizado pela verticalização do ensino, oferta educação profissional e tecnológica em diferentes níveis e modalidades de ensino, assim como articula a educação superior, básica e tecnológica.
  Neste campus, estão em funcionamento quinze Cursos Técnicos de Nível Médio, cinco Cursos Superiores de Tecnologia e uma Engenharia, além de Cursos de Pós-graduação, Formação Pedagógica e Educação a Distância."
Fonte: http://pelotas.ifsul.edu.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=1&Itemid=2 


Aspecto na época da Escola de Artes e Ofícios que abrigava homens do 1 o Corpo Provisório da Brigada Militar. Fonte: Arquivo do acadêmico Flávio Azambuja Kremer, da Academia Canguçuense de História.Fotos:http://memorial.ifsul.edu.br/


Prédio do Instituto Technico Profissional de Pelotas, construído ao lado do prédio que seria destinado ao funcionamento da Escola de Artes e Officios.Fotos:http://memorial.ifsul.edu.br/
Vista da fachada frontal da Escola Técnica de Pelotas(ETP).Fotos:http://memorial.ifsul.edu.br/


Década de 70; banda marcial da Escola Técnica Federal de Pelotas - RSFotos:http://memorial.ifsul.edu.br/

TRIBUTO A ETP de Paulo Fiss

A lágrima que cai,
É a saudade que ficou,
De quando irmanados por um mesmo ideal,
E o tempo que se vai...
Dele ninguém escapou,
A vida vai passando e daquele carnaval,
Ainda soa a batucada nos ouvidos,
Éramos jovens, éramos guris,
Aplaudida... passava a banda aplaudida,
Dias de orgulho, tempos jamais perdidos,
Dias de sonhos tão febris,
Tantas emoções na avenida
Era a felicidade de ser etepeano,
Saudades de belos momentos, Inseparáveis irmãos de pernadas,
E a sadia briga do branco e azul,
Contra o vermelho e preto gonzagueano,
Lembranças de vencidos intentos,
Pretos e brancos irmãos camaradas,
A vida era uma farra,
No norte e no sul
Ao méleo embalo da fanfarra.
A Alice Loréa impondo o respeito,
Nas fileiras do Diocesano,
E gatos-pelados empunhando as quatro bandeiras,
Enquanto do desfile gente dos edifícios no parapeito,
Lindas imagens tão faceiras,
Belas meninas do Santa Margarida,
Lá iam elas marchando tão elegantes,
Depois vinha o Nossa Senhora de Lurdes, do Fragata
E a gente dizia das gurias, linda aquela gata,
No fim da tarde a juventude já exaurida,
Toda uma geração sentindo-se ovantes,
A imponência do Visconde da Graça,
Diziam lá vem o Patronato,
Uma multidão por toda praça,
Era uma festa de civismo - tempo estratocrato,
Logo, lá na Barroso despontava o São José,
As meninas eram as mais belas de Pelotas, as dondocas,
No comando as freiras cheias de fé,
Muitas palmas - olhares românticos e algumas fofocas,
E a tarde setembrina ia dando para o arrebol,
Lá p'ros horizontes austrais um rubro sol,
Faltam apenas o Gonzaga e a ETP desfilarem no asfalto,
Lá para os lados do áureo-cerúleo soa o esboroo dos tambores,
É a galinha gorda imponente dando show no grito alto,
Do regente " Xubeco ", o maior dos maestros, mores
E passa o Gonzaga em ruidosa aclamação,
Desce a sonoite e magistral desponta a gurizada etepeana,
Grande, muito grande, da cidade inteira é a ovação,
Gritos de gente em euforias,
Um Deus nos acuda as gurias,
É a força do povo dessa gleba pampiana.
ETP, ETP,ETP, ó ETP sempre estaremos unidos na fé
E que uma escola da Pelotas interiorana,
Na tecnologia, de muito evos faz o Brasil forte e de pé!


POESIA.: Paulo Fiss Fiss Fiss
Sob domínio de direito autoral - Copyright by author - P.Fiss
Pelotas,rs/br/22°/segunda-feira/17 de outubro de 2016 - 19:52 - Dia de chuva




15 de set de 2016

Estação da Estrada de Ferro - S/D


4 de jul de 2016

ANÚNCIO GP PRINCESA DO SUL 1953

 OS PROGRAMAS DO GP PRINCESA DO SUL, ESTE AQUI O DE 1953, VENCIDO POR DANSARINO,  RAZÃO DESSA PROPAGANDA TODA, ERA O QUE SIGNIFICAVA O TURFE, NA ESFERA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE PELOTAS, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL E DO BRASIL NO PASSADO. ERA UMA TRADIÇÃO EM POPULARIDADE, ATÉ MESMO NO EXTERIOR, A PROVA MAGNA TURFEANA DE PELOTAS, NO MAJESTOSO HIPÓDROMO DA TABLADA DE ENTÃO. - FONTE.: - PAULO FISS - DOMINGO 03.07.2016 - 22:36 


19 de jun de 2016

Lá… por Francisco LOBO DA COSTA



Na minha terra, lá…quando
o luar banha o potreiro
passa cantando o tropeiro,
cantando…sempre cantando…
depois descobre-se o bando
do gado que muge adiante,
e um cão ladra bem distante…
Lá… bem distante!…na serra!
– Nunca foste a minha terra?

Enfrena, pois, teu cavalo,
ferra a espora, alça o chicote,
e caminha a trote…a trote…
se não quiseres cansá-lo.
Ainda não canta o galo,
é tempo de viajares,
deixarás estes lugares,
irás vendo novas cenas,
sempre amenas…muito amenas!

O laranjal enverdece
ao disco argênteo da lua,
e a estrada deserta e nua
logo aos olhos te aparece…
Uma figueira ali cresce
beijando a fralda ao regato:
e lá… no fundo do mato,
arde o rosado e fumega
a vassourinha, a macega…

Se um grito de fero açoute
estruge no ar austero,
não tremas! É o quero-quero
que vem te dar a boa noite.
Um conselho porém dou-te:
um pouso tens a teu lado;
mas não lhe batas…cuidado!
Antes procura outros meios
dormindo sobre os arreios.

Não que se negue a tais horas
agasalho ao forasteiro,
mas, porque, foras primeiro
assustado sem demora!
“Ó Juca” põe-te pra fora! “
solta o cão…traz o trabuco…”
“matemos este maluco!”
para no fim do rebate
ir contigo tomar mate.

Logo ao romper da alvorada
põe a soga o teu cavalo:
podes passar-lhe um pealo,
uma maneia trançada,
depois vai pedir pousada;
de dia nada receias;
verás meninas sem meias…
“Eh pucha!” que lindas moças
de pernas grossas…bem grossas!

Hão de fazer-te mil festas,
dar-te atenção e carícias,
porquanto minhas patrícias
são modestas, bem modestas!
Mil vezes os mimos destas
porque são filhos da estima.
Aceita-os, pois, e por cima
come o bom churrasco insosso,
que elas dirão que és bom moço!

À noite, escuso avisar-te,
dança-se a parca “Tirana”;
tira a primeira serrana
que não há de recusar-te,
ali, a um canto…de parte,
o velho fuma um cigarro;
de quando em quando um escarro,
ao passo que um mariola
arranha numa viola.

Não te espante os cavalheiros,
muitos verás de tamancos
outros de sapatos brancos
ou de “botas de terneiros”;
esses serão os primeiros
na “competência dos pares…”
nem te rias se escutares:
-”Eu danço “cá siá” Maruca,
“A Chica dança cô Juca!”

Ouvirás após cantiga
de versos de pés quebrados,
coisas de tempos passados
que talvez a rir te obriga;
se queres porém que o diga:
acho mais graça e beleza
naquela simples rudeza,
que neste folgar sem lei
de muita gente que eu sei.


Ali, verás como incita
o viver da solidão,
tomando o teu “chimarrão”
feito por moça bonita;
verás vestidos de chita,
muita vida em cada rosto…
Mas, se duvidas do exposto,
é fácil: – volta pra aqui,
e dirás se te menti.


LOBO DA COSTA

16 de jun de 2016

Um calçadão recém nascido

    Olha só o registro do Sr. Vitor Hugo Lautenschläger, fotografou os filhos no recém nascido calçadão central de Pelotas em maio de 1981. Na foto os irmãos Leonardo Lautenschläger e Alessandra Lautenschläger nos orelhões da antiga CTMR. Podemos ver algumas lojas do comércio da época, como Hercílio, Favorita, Emporio de tecidos, Trilhoteiro. O chafariz das "três meninas" (1874), lá ao fundo,  nem tinha sido transferido da Praça Domingos Rodrigues para o calçadão das Rua Andrade Neves esq. com a Rua Sete de Setembro, a inauguração do chafariz neste local aconteceu no dia 18 de dezembro de 1981.



13 de jun de 2016

Rua das flores "um nome que deveria ter sido eternizado"

Postal da atual Rua Andrade Neves (Rua das Flores) esq. Mal. Floriano (Rua São Jerônimo), antes do Edifício Glória, que só fora construído em 1934. Esta foto provavelmente seja do inicio do século XX.

Antiga rua das flores, como disse Mario Osório Magalhães, em um de seus livros, "um nome que não deveria ter sido mudado e sim eternizado."



6 de jun de 2016

1° Feira Nacional do Doce de Pelotas 1986

Foto: Reprodução enviada por Margareth Vieira

Rememoramos os idos de 1986, com o cartaz da primeira feira nacional do doce, quando era realizada em janeiro no Laranjal e sua história no texto abaixo


UM POUCO DE HISTÓRIA.

“Com a duração de apenas 5 dias surgiu então a 1ª Fenadoce, ocorrendo de 15 a 19 de janeiro de 1986. Foi realizada na área pertencente a Universidade Católica de Pelotas, na praia do Laranjal e realizada pela FUNDAPEL com o apoio do Governo do Município.
A festa surgiu com o objetivo de divulgar os produtos na área de doces, enlatados e confeitarias da cidade e tendo o propósito de estimular a comercialização destes produtos. O sonho era que a festa do doce fosse como a festa da uva, mas isso não aconteceu devido à falta de promoção publicitária. 
A Fenadoce teve sua abertura no dia 14 de janeiro de 1986 ao som do Hino Nacional tocado pela Banda da Brigada e com a presença do prefeito da cidade Bernardo de Souza. 
À noite o show pirotécnico que durou 20 minutos, encantou a todos que prestigiaram a festa. O sistema de som de 50 mil watts era equivalente à metade do som do Rock in Rio, prometendo incentivar a festa. 
Com uma lancheria montada em estilo circense numa área de 1.500 m², haviam dentro do pavilhão cerca de 55 estandes e 20 ao ar livre. Assim começou a trajetória da Fenadoce que buscava mostrar a doçaria, indústria, comércio, artesanato e os serviços de Pelotas. 
Pelotas contava com a cooperativa das doceiras que inicialmente tinham 100 doceiras associadas, mas que se reduziu à metade, pois estavam desviando a verba. Pelotas distribuía seus doces para vários estados como Santa Catarina, São Paulo, Porto Alegre, Curitiba. A preferência na época eram pelos doces cristalizados. 
A presidente da cooperativa, Amadelina Marini nos colocou a importância da realização desta festa, dizendo: “Com a Fenadoce o doce de Pelotas voltará a se impor no mercado e o mais importante vai ser a imagem da festa, onde haverá uma constante procura o ano todo”. 
O sucesso da Fenadoce possibilitou que a rádio Cosmos transmitisse um programa especial sobre a 1ª Fenadoce, integrando uma série: “Coisas da Província”, apresentando um painel sobre Pelotas, suas riquezas, potencialidades e sua gente. O especial foi gerado pela rádio do Mec no Rio de Janeiro. 
Dia 19 de janeiro de 1986, último dia da festa, na coluna Marina Especial, do jornal Diário Popular foi mencionada a importância da festa, já que os turistas hospedados no Hotel Manta adoraram o atendimento e prometeram voltar em outras festas. 
Um dos maiores estandes que merece ser mencionado foi da Agapê, que superou as expectativas e também ofereceu degustação de alguns produtos. 
O desejo era que a cidade se tornasse um seu pólo turismo, gerando dinheiro, riqueza e trabalho. 
Entre os comentários da festa, o presidente do diretório municipal do PDS, Adolfo Fetter, criticou a feira dizendo que não tinha infra-estrutura e que deveria ter sido realizada na Associação Rural e ainda reclamou que a cidade esta mal cuidada e suja. Carlos Alberto comentou “Um velho sonho meu vejo em realidade. O turismo de Pelotas sendo conduzido pelos doces”. 
Maria do Carmo Haertel Sobral falou sobre as confeitarias de Pelotas, recordando a Confeitaria Nogueira, Confeitaria Gaspar, Confeitaria Brasil, Confeitaria Abelha, homenageando-as por terem aberto o caminho para Pelotas se tornar a capital do doce. 
A Prefeitura e a Fundapel, os setores de comércio, indústria e turismo que há muito desejavam que a cidade tivesse a sua festa ficaram realizados com a sua merecida promoção. 
O prefeito Bernardo de Souza falou sobre a festa: “Há a crença e o entusiasmo de muitos. Há também a certeza de que nada nasce perfeito, mas de que é preciso ousar e começar. A grande festa que Pelotas quis!” 
A Fundapel avaliou que o sucesso da 1ª Fenadoce estava garantido, pois até o sábado mais de 60 mil pessoas já haviam visitado a festa, sendo que na sexta-feira o mau tempo havia prejudicado o movimento. Mesmo assim a Fundapel comunicou uma reunião para avaliar os possíveis erros. 
A 1ª Fenadoce foi sinônimo de grande alegria e satisfação para os pelotenses, abrindo portas, dando esperanças de crescimento e desenvolvimento para o município.”


Texto extraído Trabalho Acadêmico “FENADOCE: CULTIVANDO E DIVULGANDO O PATRIMÔNIO DE PELOTAS” de Taíza Corrêa Schmidt Triarca. Pelotas, 2008.


Taça distribuída para os convidados da 1° FENADOCE, no primeiro dia .
Foto enviada por Paulo Irigon

A página do Jornal do Laranjal (26 de maio 2016) postou uma foto do local onde foi realizada a 1° FENADOCE

"Quem se dirige ao Balneário Santo Antônio, Balneário dos Prazeres e Colônia de Pescadores Z-3, visualiza à direita, antes de chegar na Avenida José Maria da Fontoura, um grande pavilhão."  


Acima o comercial da 1° Fenadoce Feira Nacional do Doce Pelotas 1986 vinculado na RBSMais vídeos em https://www.youtube.com/channel/UCavbfHUJYjRt_burH-K6R3g



31 de mai de 2016

20 de mai de 2016

A Chopeira do "A Gruta" por Paulo Lanzetta

Registro de Paulo Lanzetta da Chopeira do Bar "A Gruta", que ficava na Rua Andrade Neves (hoje calçadão). Foto de meados da década de 70, enviada por Guto King.




8 de abr de 2016

Liga pró defesa de Pelotas


“Com uma concorrida sessão, tendo por local o Theatro 7 de abril, era fundada em 16 de janeiro de 1931 a liga Pró Defesa de Pelotas, era uma entidade sem cores pertidárias e nem religiosas.
Era seu objetivo exclusivo:

  • Conseguir a execução de um programa administrativo- economico, aprovado em sessão da fundação da liga.
  • Cuidar de todos os interesses gerais, principalmente dos do município.
    Art. 2° - A liga procurará conseguir a junção de ligas com o mesmo fim, no maior numero de municípios.”
Fonte: Fascículo Pelotas Memória n° 5 - Ano 1999 - Ano 10 - Nelson Nobre Magalhães

“Aproveitando-se do clima otimista de patriotismo e civismo que reinava na cidade, em novembro de 1930, o getulista Cássio Tamborindeguy, que desenvolvia atividades ligadas ao comércio, lançou a idéia de que fosse criado o movimento “Em defesa de Pelotas”, devendo ele contar com a participação de vários setores da sociedade Pelotense. Para tanto, inicialmente, enviou correspondência com minuciosos relatórios sobre a situação econômica da cidade àqueles que organizavam e viabilizariam o movimento: o Rotary Club e a Associação Comercial de Pelotas, o intendente João Py Crespo e o secretário de Estado dos Negócios da Fazenda, o pelotense Francisco Antunes Maciel."
...

"Para impulsionar a cidade na retomada de seu desenvolvimento, algumas estratégias foram pensadas pelos integrantes da liga “Em Defesa de Pelotas”, suscitando certas medidas, tais como, construir uma estrada de ferro que fosse unir Pelotas a Santa Maria e outras ações de menor projeção, como reduzir a arrecadação tributária no porto de Pelotas, pois, segundo Amaral (2003, p.63), “os impostos cobrados vinham travando a circulação de mercadorias, paralisando o comércio e produzindo a depressão de outras fontes de renda”."
...
Sessão em 17 de dezembro de 1930 no Grande Hotel

"Outros fatores preocupavam às autoridades engajadas no movimento “Em Defesa de Pelotas” e recaiam sobre a precariedade das vias de comunicação e transporte o que impunha a necessidade da desobstrução de canais condutores ao porto, e a possibilidade de acesso de navios de maior tonelagem. Objeto de inquietação foram, além disso, a construção de rodovias com acesso à zona rural e medidas referentes à intervenção do município quanto à saúde pública devido aos altos índices de mortalidade infantil e outras enfermidades que acometiam os pelotenses, como a febre tifóide e a tuberculose. Quanto à infra-estrutura urbana e social, no tangente à higienização nas ruas, havia denúncias da sujeira, um grande flagelo, bem como a proliferação de cachorros pesteando o ambiente, provocando incidentes e doenças, e a mendicância, que poluía e desqualificava a idéia de progresso de uma urbe." 

Fonte: Futebol, memória e identidade operária: uma análise sobre a prática futebolística em Pelotas nas décadas de 1930 a 1960. ALINE NUNES DA CUNHA. Maio de 2008. Pelotas-RS 

Fonte fotos: Reprodução por de Arthur Victória do álbum "Rotary - Defesa de Pelotas - 1930".

Reminiscências do Calçadão de Pelotas - Década de 80

Dois registros lá do início do recém construído Calçadão, as imagens são do livro de Mário Rosa, Geografia de Pelotas - A economia, publicado em 1985. Com fotografia de Luis Carlos Netto e Luiz Carlos Vaz. Parece que tanto o público como os comerciantes já tinham aceitado o "Shopping a céu aberto" visto que no início do projeto o calçadão sofreu uma certa rejeição, principalmente por parte dos lojistas. 
Na primeira fotografia nota-se: Entre Floriano e Sete: Bromberg, Velocino Torres, Trilhotero, A gruta, Empório dos Tecidos, Favorita, Poupança Habitação. Em um segundo momento podemos observar entre Sete e Neto: Imcosul, Procópio, Marisa. Entre Neto e Voluntários: Lojas Mazza. Orelhões nos tradicionais acrílicos laranja, caixas de correios. Sem vários vendedores ambulantes e nem pessoas olhando para o celular.

Reprodução enviada por Margareth Vieira.


24 de mar de 2016

"Pessoas que fizeram a diferença..." Empresário Clóvis Villar.


Empresário Clóvis Villar.

      Sr. Clóvis Villar, natural de Pelotas, foi comerciante de 1964 a 1993. Foi fundador e diretor das lojas Esporte Princesa e Capézio (Shopping calçadão).
Em 1964 começou com a Loja Elite na Rua Lobo da Costa que fazia sociedade com Carlos Silveira. Anos depois foi proprietário da Casa Norma, na Andrade Neves junto com seu amigo José Azário. Abriu individualmente a Loja Esportes Princesa, antes conhecida como Fábrica de Bolsas Princesa, que abastecia Rio Grande, Jaguarão e arredores da colônia. Quando faleceu em 1993, aos 59 anos, era diretor do Departamento de Apoio à Área Central do Clube de Diretores Lojistas de Pelotas (Daac/CDL), também diretor suplente do Sindilojas e integrava o quadro de sócios da Associação Comercial de Pelotas. Atuante e preocupado com a área central de Pelotas procurava realizar melhorias, e estava sempre em comunicação com outros comerciantes para tentar atender suas solicitações. Realizava várias campanhas, enquanto esteve a frente do Daac/CDL, uma delas em relação a segurança do centro, conservação e limpeza do calçadão. Foi o Sr. Clóvis que junto com o CDL, que viabilizou a colocação de lixeiras e alargamento das calçadas de Rua Marechal Floriano. 
     Em contato com Roberto Villar, neto do Sr. Clóvis, que nos forneceu informações, reportagem e algumas fotos que postaremos a seguir. Sendo assim, deixamos com este texto e fotos, uma singela homenagem ao Sr. Clóvis, que muito se preocupou com a nossa Pelotas e fez a diferença, estendemos esta homenagem a família e em especial a Sra. Terezinha Vieira Villar que sempre esteve ao seu lado no caminho que trilhou por aqui.


Sr.  Clóvis Villar nos anos 40, a esq. encima na foto, no Colégio Gonzaga.
Foto da Fábrica de Bolsas Princesa nos anos 70, que depois se chamou Esporte princesa.
Sr.  Clóvis Villar no seu casamento em 1957, com Terezinha Villar.
Homenagem oferecida ao Sr. Clóvis, 1993, do CDL pelo seu trabalho junto ao comércio.

Empresário Clóvis Villar.




Fonte:
Diario Popular,1993.
Roberto Villar, 2016.

Fotos do acervo da família Villar enviadas por Roberto Villar

1 de mar de 2016

Na fila no início do século XX

Como seria uma sala de espera de atendimento gratuito no início do século XX em Pelotas? Mais precisamente na Faculdade de Odontologia? 
O jornal Opinião pública de 04 de novembro de 1916, nos mostra em uma reportagem sobre a Faculdade de Pharmacia e Odontologia, comentando que a clínica, totalmente gratuíta funcionava das 8h às 11h e das 13h às 17h, assim como o laboratório farmacêutico, ressaltava que a jornada permitia uma longa e perfeita aprendizagem aos seus alunos que eram sempre acompanhados, em revezamento, por seus vários professores. 

Com certeza os atendimentos deviam serem feitos dividindo homens e mulheres, onde nota-se que na foto só aparecem mulheres. Sabe- se que as crianças tinham atendimento separado em uma sala especial. 




Fonte: Jornal Opinião Pública de 04 de novembro de 1916"
Pesquisa:Maria Augusta Martiarena de Oliveira para o trabalho Instituições e práticas escolares como representações de modernidade em Pelotas (1910-1930): Imagens e imprensa em 2012.

29 de fev de 2016

Desfile em frente a Catedral - 1969


Escola Sylvia Mello, apresentação em frente a Catedral São Francisco de Paula, Provavelmente década de 50.
Fotografia: Foto Studio; Fonte: MEMÓRIA FOTOGRÁFICA DE PELOTAS

14 de fev de 2016

Revolta dos Bondes - Um fato sem precedentes nos anais de Pelotas - 1914


Bondes incendiados

Com a matéria intitulada “Bondes incendiados” as páginas do Jornal Correio do Povo, de Porto Alegre, no mês de Dezembro de 1914, em plena primeira guerra mundial, noticiava que a companhia de Ferro Carril e Caes resolvera fazer greve suspendendo a circulação dos bondes. Antes disso Dr. Cipriano Corrêa Barcelos, o Intendente Municipal, como era chamado o prefeito, já havia mandado cortar alguns trilhos para que os bondes não pudessem circular, pois a empresa já não possuía a ordem para circular e a construção das linhas para os bondes elétricos pela empresa Light and Power já havia começado. A população encontrava- se dividida entre o atual e o novo tipo de transporte.
Exatamente em 14 de dezembro estudantes pelotenses, do lado da intendência, somado as insatisfações dos trabalhos oferecidos pela companhia, fizeram comício de protesto em praça pública, no qual promoveram o “enterro” do diretor da companhia Ferro Carril (Sr. José Máximo Corrêa de Sá) com direito a bateção de latas, apitos e fogos de artifícios. Findo o protesto, uma multidão em torno de 1.500 pessoas atacaram o depósito dos Bondes da Ferro Carril, sendo recebidos a tiros pelos guardas da companhia. Os depósitos tiveram seus portões arrombados e invadidos, de onde foram tirados e conduzidos “a pulso” pelas ruas da cidade sendo depredados e incendiados.

“A Estação foi invadida e tudo que se encontrava lá dentro foi destruído, soltaram os muares das cocheiras e destruíram os utensílios ali encontrados, retiraram do local vinte e sete bondes que foram espalhados pela cidade, e posteriormente quebrados e queimados, quatro destes foram jogados em chamas para dentro do arroio Santa Bárbara, nas proximidades da empresa. Enquanto um grupo de populares encarregava-se da estação dos bondes, na Praça da Constituição, o escritório central também foi apedrejado, por outro grupo que continuava a baderna, destruindo tudo que encontrava pela frente. O corpo de bombeiros foi acionado para combater os diversos pontos de incêndio nos bondes, pessoas foram atingidas por balas de revolver, várias casas foram apedrejadas. Todo este alvoroço e vandalismo pararam somente em torno de três horas da madrugada, quando um grupo de guardas da policia conseguiu conter a população .” (WITTMANN, 2006)

Bondes de tração animal em frente a então Praça Pedro II.Acervos: CDOV-Biblioteca Pública Pelotense e Eduardo Arriada – A.F. Monquelat

Curiosidades:

“Os bondes em Pelotas por tração animal foram inaugurados em  Novembro de 1873.”
“Princesa Isabel em visita a Pelotas, em 1885, passeou com seus dois filhos em um bondinho puxado a burros. Como em todo o lugar por onde andava a nobre senhora, faziam-se manifestações de simpatia e às vezes um tanto exageradas. Os pelotenses, dados a homenagens, não fizeram diferente. Ornamentaram o bondinho com flores para os reais passageiros que os levaria ao parque Sousa Soares, o primeiro centro turístico do Rio Grande do Sul.(Viva o Charque - Zênia de León).

Fig. 2 Bonde elétrico na atual Av. Duque de Caxias.
Fontes:
Coleção do Arquivo Histórico de Porto Alegre.

Blog conselheiro X. Pelotas. Disponível em http://conselheirox.blogspot.com.br/ Acesso em fevereiro de 2016.

LEÓN, Zênia de. Os bondes em pelotas - A novidade no Rio Grande do Sul. Pelotas, 2012. Disponível em <http://www.vivaocharque.com.br/interativo/artigo22.php> Acesso em fevereiro de 2016.

WITTMANN, Maria Cristina Gonçalves. Trilhos Urbanos. Pelotas, 2006. Disponível em <http://wp.ufpel.edu.br/especializacaoemartesvisuais/files/2013/12/Maria-Cristina-Gon%C3%A7alves-Wittmann-%E2%80%93-2005.pdf>. Acesso em fevereiro de 2016.

9 de fev de 2016

O Jacaré do Fragata por Elisabete Porto de Oliveira

Em final de meados do século XX, aproximadamente, surgiu no Fragata o grupo carnavalesco conhecido como Jacaré do Fragata. O grupo era formado por pessoas da comunidade que se divertiam fantasiando-se e saindo pelas ruas do bairro e conseqüentemente pelas ruas no centro da cidade. No início os carros alegóricos eram movidos por tração animal, depois passou a ser puxados por tratores de propriedades do Sr. José de Souza Soares, o qual, cedeu para a realização do evento. O Jacaré do Fragata atraía o público por onde passava. Era um grupo bem organizado e muito animado, disposto a exibir seu carnaval com tanta exuberância e graça.

Desfile do grupo Jacaré do Fragata, década de 60 do século XX. Fonte: Projeto Pelotas Memória

Segundo Nelson Nobre (2.000, p. 08, 09) faziam parte desse grupo carnavalesco Camelinho, Jaguaré, Odilon Garcia, Gilda Nunes e sua irmã, também a rainha Zilá Matos e a sua corte. As informações sobre os componentes e composição musical do grupo Jacaré do Fragata foram limitadas, por falta de fontes disponíveis ou, desconhecidas até o presente momento. O trabalho realizado pelo grupo foi o resultado de um belo e empolgante desfile.

Desfile do grupo Jacaré pelas ruas do centro de Pelotas, anos 60 do século XX. Fonte: Projeto Pelotas Memória.

O Jacaré do Fragata foi o primeiro grupo burlesco que surgiu no bairro. Os componentes do grupo desfilavam pelas ruas ao som da música executada pelos mesmos. Conforme o artigo do Sr. Bendjouya, publicado no Jornal Diário Popular do dia 24 de Fevereiro de 2001, o qual descreve sobre as curiosidades do carnaval de rua de Pelotas, o mesmo relata que existiram alguns blocos que desfilavam sem nenhuma verba pela rua 15 de novembro, na época a rua era mão dupla, depois passou a ser mão única. Os desfiles aconteceram na por volta da década de 30 do século XX. Alguns anos mais tarde foram surgindo outros blocos carnavalescos pela cidade com denominações de animais, representação de bichos como a Girafa da Cerquinha; o Camelo; o Galo; o Papagaio; o Tigre; o Jacaré do Fragata, este, como comenta o Sr. Isaac, “tinha uma história muito interessante ligada à política pelotense”. O grupo Jacaré fazia suas apresentações, tanto no bairro Fragata como no centro da cidade. Alguns moradores ainda recordam de alguns trechos da cantiga do grupo Jacaré, que desfilava pelas ruas como veremos a seguir:

Quem é que disse, 
E não acreditava, 
Que saísse o Jacaré [...] 
Veio pra avenida lá do lago a pé, 
Mostrar pra cidade, 
Toda sua vaidade, 
Que é o Jacaré.*

O grupo burlesco Jacaré durou poucos anos, o mesmo acabou encerrando sua atividade carnavalesca e deixando muita saudade nas pessoas que o admirava. Com o tempo foram surgindo outros grupos burlescos; escolas de samba com belos desfiles como a escola de samba Imperadores da Guabiroba e Unidos do Fragata. 

Por falar em grupos carnavalescos, com o qual a população se divertia, vale a pena lembrar que no século XX, final da década 50 aproximadamente, a população do bairro freqüentava o cinema, era o Cine Fragata, o qual apresentava bons filmes, principalmente do cantor gaúcho Teixeirinha, o cinema ficava lotado como recorda alguns moradores, tinha que ter muita paciência, pois a fila era enorme. O Cine Fragata também apresentava shows, como o do cantor Cauby Peixoto, o qual atraía multidão para o local. O local também passou a ser utilizado pelas escolas que faziam apresentações de seus alunos e professores, eram usados também para outros fins. O Cine Fragata encerrou suas atividades aproximadamente, entre o final da década de 70 e inicio dos anos 80. O prédio foi reformado e hoje funciona no local um salão de baile (kazão).

 *Trechos fornecidos por algumas pessoas que recordaram uma parte da letra da canção do grupo, como a senhora Irai, o senhor Antonio Luis e dona Flora,. Maio de 2007.


Elisabete Porto de Oliveira em Viagem na memória do Fragata: Estudo sobre a história e cultura de um “Bairro Cidade”. Pelotas, 2007.


Página 8 do fascículo Pelotas Memória especial sobre os carnavais do passado (2000) de Nelson Nobre.